Nossas Redes Sociais

Clinton Medeiros

Clinton Medeiros

Moradores em Sousa sofrem com falta d’água

Infraestrutura

Moradores em Sousa sofrem com falta d’água

Precária

No Conjunto CEHAP, na cidade de Sousa, Sertão da Paraíba, os moradores sofrem com a falta d’água constante. Dona Maria José é catadora de recicláveis e mostrou a situação que vive no momento. Segundo ela, a água chega na residência apenas três dias por semana e, mesmo assim, nas casas que ficam em áreas altas a água não tem força para chegar.

“Não pode fazer isso com a pobreza, porque nós aqui temos senhoras de idade, tem criança de três meses, seis meses, que precisam estar tomando banho direto. A pessoa sai para trabalhar numa reciclagem, quando chega quer tomar um banho, não tem um pingo d’água”, relatou dona Maria.

As roupas, as louças e todos os afazeres domésticos acabam se acumulam, pois falta água para o básico. “Não devia fazer isso com os pobre, porque nós somos humanos. Água é vida, a gente não pode ficar sem água. Essa água tem que ser liberada pelo tempo todo”, ressaltou a moradora.

O problema de falta d’água no Conjunto CEHAP é antigo e recorrente. O orgão responsável pela distribuição de água nos bairros é o Departamento de Água, Esgotos e Saneamento Ambiental de Sousa (DAESA), que foi criado em 2006 pelo ex-prefeito Salomão Gadelha, falecido em 2010, para fornecer água às comunidades carentes de Sousa, supostamente a preços menores do que a Cagepa (Companhia de Água e Esgotos da Paraíba).

No entanto, é a Cagepa que realiza a capitação nos açudes e o tratamento da água. O DAESA fica responsável pela distribuição, mas a população reclama da prestação desse serviço e dos racionamentos executados pelo órgão municipal, que já acumula uma dívida milionária para a Cagepa e responde na Justiça a um processo para quitá-la.

Devido à constante falta d’água, os moradores precisam utilizar caixas d’água e baldes para armazenar o máximo de água possível para utilizar nas necessidades básicas de higiene durante o restante da semana.

Na casa de Francisca Aparecida, outra moradora do bairro, a situação não é diferente. Com criança pequena, a dona de casa reclama que falta água para o básico.

“A gente necessita de água para tudo, para tomar banho nesse calorão que a gente está. Aqui tem criança pequena, a gente precisa tomar banho. Tem dia que você quer tomar banho e não toma porque não tem água. A água chega na sexta-feira, aí fica até o domingo de manhã. Do domingo de manhã, pronto, a água acaba e não tem dia certo para chegar”, ressaltou.

Ela faz um apelo para os orgãos responsáveis olharem com mais atenção para o problema recorrente de falta d’água na região. “A gente pede a compreensão deles para que fiquem soltando água para a gente sair desse aperreio, porque o calor é muito grande, aí a gente precisa estar tomando banho toda hora e a gente não tem, é complicado”, disse.

Informações com Diário do Sertão

Clique para comentar

Deixe seu comentário

Mais Notícias em Infraestrutura

TOPO