Nossas Redes Sociais

Clinton Medeiros

Clinton Medeiros

Catoleense será homenageado na TV Globo

Entretenimento

Catoleense será homenageado na TV Globo

Os telespectadores que acompanham o Caldeirão do Huck, programa de televisão exibido pela Rede Globo, no horário das 15h54 às 18h30, especialmente os nordestinos, que residem na região ou aqueles que estão espalhados por todo o território nacional, e também os que moram em outros países, mas que acompanham a programação da emissora, pela Globo Internacional, vão poder conferir uma entrevista com um sertanejo, com origens marcantes nas cidades de Catolé do Rocha (PB) e João Dias (RN).

O Caldeirão do Huck é um programa de auditório apresentado por Luciano Huck com quadros fixos, além de matérias especiais, atrações musicais e concursos. E neste sábado (20 de abril), dentro destas matérias especiais, o professor/pesquisador Sebastião Alves (joãodiense e catoleense), teve o seu trabalho reconhecido nacionalmente, e através de um convite especial feito por Luciano Huck, será homenageado no programa, através de participação no quadro ESPECIAL INSPIRAÇÃO.

Sebastião Alves dos Santos, apesar de ter nascido no sítio Boa Vista, que fica localizado na zona rural do vizinho município de João Dias (RN), mas que faz fronteira com Catolé do Rocha (PB), veio muito cedo residir em nossa cidade, onde morou por muito tempo na Rua Barão do Rio Branco, Centro, tendo realizado seus estudos primários e fundamentais no Colégio Normal Francisca Mendes, e cursado o Técnico Agrícola na Escola Agrotécnica do Cajueiro.

Atualmente, Sebastião Alves, é professor na cidade de Ibimirim, no Pernambuco, onde atua no SERTA – Serviço de tecnologia Alternativa, e é autor de inúmeros projetos premiados, além de ser convidado para proferir palestras por várias cidades brasileiras, como também no exterior.

O professor Sebastião Alves, é hoje um cidadão pernambucano, mas nunca negou ser apaixonado por Catolé do Rocha, e que apesar de residir e trabalhar naquele estado, faz questão de todos os anos, visitar por duas ou três meses, a nossa cidade, e sempre por onde anda divulgando seus trabalhos têm a honra de dizer que nasceu no Rio Grande do Norte, mas que tem Catolé do Rocha como a sua pátria por adoção.

O Programa ESPECIAL INSPIRAÇÃO acontece uma única vez durante o ano, e premia algumas pessoas que desenvolve trabalho que pode inspirar a transformação das realidades e as coisas boas que podem acontecer em decorrência desse trabalho e dedicação.

Para Sebastião ser escolhido dentre os quase 220 milhões de brasileiros é motivo de muita honra, já que os finalistas da seleção têm uma curadoria com 40 personalidades brasileiras que escolhe os agraciados. Os finalistas do prêmio estavam numa lista entrono de 185 participantes e no final foram escolhidos os cinco vencedores.

São cinco brasileiros escolhidos, e a ideia é que sirva mesmo de inspiração, e colocando esse trabalho na mídia nacional realmente projeta os espaços de trabalho, geográficos e o lugar, assim como os projetos que os agraciados vêm desenvolvendo.

Sebastião Alves deixou Catolé do Rocha há 35 anos, mais para ele a cidade continua no seu coração, e retorna a Catolé três ou quatro vezes por ano para visitar familiares que seguem vivendo aqui, mas também pelo apreço que tem por esta terra.

“Estou deverasmente feliz por projetar Catolé a nível nacional através da minha pessoa, na minha simplicidade e humildade, tenho dedicado toda a minha vida profissional as coisas que eu vivi na minha infância e na adolescência aí nos Sertões da Paraíba, especialmente o Sertão do Piranhas, como também um pouco do Rio Grande do Norte”, disse o professor.

Sebastião Alves iniciou seus estudos no Colégio Normal Francisca Mendes, de onde se tornou eternamente grato, e segundo o próprio, foi este colégio que ajudou a solidificar a sua formação, juntamente com a família, especialmente os seus pais, que se dedicaram incansavelmente para lhe educar.

“A formação franciscana que eu recebi das irmãs ‘a quem eu rendo muitos agradecimentos’ me ajudou muito para a vida”, frisou.

Após concluir o ginásio no Colégio Francisca Mendes, Sebastião entrou para o Curso Técnico em Agropecuária, na Escola Agrotécnica do Cajueiro, e foi com o curso técnico, e através de um trabalho inicialmente desenvolvido ainda na escola do Cajueiro, que ele migrou no ano de 1984, para o estado de Pernambuco, onde iniciou juntamente com um grupo de pessoas idealistas, o primeiro Centro de Treinamento de Agricultura Alternativa.

Em Pernambuco, Sebastião conseguiu entrar na universidade onde concluiu a graduação em biologia, e ao contrário da maioria dos biólogos que procuram ficar em áreas mais ricas, ou seja, que lhes dêem mais oportunidades, ele preferiu sentar na praça na Caatinga Nordestina, que para ele, a relação que já tinha com a caatinga desde a infância teria contribuído para esta escolha, e em seguida foi trabalhar no semiárido pernambucano, e a custo de muitos esforços conseguiram manter uma instituição que ajudaram a criar, que vai completar 30 anos de existência no mês de agosto.

O SERTA – Serviço de tecnologia Alternativa virou também uma escola técnica, atualmente com dois campi, sendo um em Glória do Goitá, na zona da mata pernambucana, e o outro em Ibimirim. Além de dar aulas nos dois, Sebastião Alves também é diretor do campus de Ibimirim.

De acordo com o professor Bastião Alves, a Metodologia que é aplicada no curso tem um cabedal de coisas boas, sobre tudo de educação do campo, que foram visualizadas e implantadas a partir de uma experiência com a metodologia conhecida como PEADS – Programa Educacional de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável, que formar técnicos para permanecer no lugar, ou seja, para desenvolver o seu local.

A homenagem que será feita neste sábado (20) a Sebastião Alves, será o segundo reconhecimento que ele obteve em sua vida, enquanto profissional pesquisador da caatinga, ao longo desses 35 anos de trabalho, inclusive já foi bolsista por várias vezes do CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, e também faz parte de uma rede nacional de pesquisadores que se preocupa exatamente com a área do semiárido, sobretudo para a produção de energia, sustentabilidade alimentar e hídrica.

“Esse primeiro reconhecimento veio pela rede Ashoca que é uma organização internacional que reconhece pessoas que fazem a transformação, que ajuda a fazer a transformação pelo bem do mundo. Dessa forma através da Ashoka, nós estamos em 83 países do mundo, e todos estes países me conhecem oficialmente nessa rede. Isso também foi uma grande vitória, haja vista, que o Brasil é o segundo país do mundo a ter mais títulos de reconhecimento dentro desta rede, ao todo são 363, e dentre estes, eu sou um deles, Graças a Deus com muito orgulho”, disse Sebastião.

Para o professor e pesquisador Sebastião Alves estes dois reconhecimentos foram recebidos por ele com muita honra, pois na biografia do mesmo quando se apresenta, sempre faz questão de enaltecer a sua origem, o que é que ele é, e de onde veio, e também para onde quer chegar.

“Essa questão de quem eu sou, digo sempre que sou essa pessoa simples e humilde que vim do interior do Rio Grande do Norte e Paraíba, exatamente das cidades de João Dias e Catolé do Rocha, e isso me dá uma enorme satisfação, um grande prazer de poder levar o nome da minha terra, o lugar que me viu crescer e me preparou para seguir no rumo de outras partes do nosso país, ou mesmo do planeta. Exemplo disso é como nós vamos agora adentrar a maioria dos lares brasileiros através desse programa Caldeirão do Huck, no próximo sábado (dia 20), através da Rede Globo de Televisão.

Catolé News

Continue lendo...
Espere! Abaixo temos mais Notícias para você...
Clique para comentar

Deixe seu comentário

Mais Notícias em Entretenimento

TOPO
%d blogueiros gostam disto: