Nossas Redes Sociais

Clinton Medeiros

Clinton Medeiros

Cadelinha mostra amor ao dono, após sua morte em João Pessoa

Entretenimento

Cadelinha mostra amor ao dono, após sua morte em João Pessoa

Uma espera intermitente. O olhar de quem ‘não tem nome’ imprime e expressa o amor incondicional, até mesmo depois da morte. Desde o dia 2 de julho uma cadelinha aguarda ansiosamente por um retorno que não acontecerá. Seu dono e maior companheiro deu entrada no hospital Napoleão Laureano, em João Pessoa, para uma viagem sem volta. A unidade é referência no tratamento do câncer e doenças do sangue.

Ela, fiel, seguiu o caminho percorrido pela ambulância que o levou à unidade de saúde onde permanece até então.

Com nome não identificado pela instituição, sabe-se que o paciente morreu em decorrência de complicações provocadas por um câncer. Desde esse momento, a cadelinha espera a hora em que verá o amigo outra vez. A história é bem próxima a do filme Sempre Ao Seu Lado, lançado em 2009. Entretanto, trata-se de uma trama da vida real, com personagens reais, pessoais reais.

O olhar direcionado à porta demonstra o desejo: vê-lo saindo do lugar onde entrou em um dia de segunda-feira.

A visita do Portal T5 despertou olhares. Um deles foi o do agente de portaria Jeandro Silva. Há 6 anos em atividade no hospital, o profissional disse que é a primeira vez que acompanha algo do tipo. Se de um lado a cadelinha olha para a porta da unidade, do outro Jeandro acompanha a espera incessante.

“Vi quando o paciente chegou, ele estava debilitado. Em determinado momento quando direcionado ao ambulatório, ela o viu, tentou ir atrás, tivemos que afastá-la. O ambiente não permite. A gente fica acompanhando a situação. Não temos o que fazer, isso é coisa de amor”, explicou.

Alguns funcionários do hospital adotaram simbolicamente o animal. Um deles é o segurança Edmildo Ferreira. Com 10 anos de serviços prestados ao hospital, o agente agora conta com uma companhia pra lá de inusitada.

“Quando ela está aqui, faço o possível para que, entre uma ação e outra, alimentá-la, dar água… Mas, é pouco. Queria poder levá-la pra casa, entretanto, não tenho condições. Tenho outros animais. Essa é uma situação que me deixa aflito”, comentou.

A curiosidade de quem olha pra câmera é também causadora de euforia. A cadelinha sem nome, aos poucos, começa a conquistar amantes, amigos e companheiros. Pacientes da unidade começaram a se acostumar com a presença. Esse é o caso de dona Maria de Fátima, de 56 anos. Há um ano ela faz tratamento após um procedimento cirúrgico realizado no Laureano. Natural de Santa Rita, Maria descreve que esse é um exemplo de amor.

“Esse é um sentimento que, muitas vezes, nem o ser humano é capaz de ter”, dona Maria de Fátima, sobre a espera da cadelinha

 

Clique para comentar

Deixe seu comentário

Mais Notícias em Entretenimento

TOPO
%d blogueiros gostam disto: