Sete dos doze deputados federais da PB respondem ações judiciais

DEPUTADOS-PARAIBANOSDos 12 parlamentares paraibanos, sete estão respondendo, ou já responderam, a algum tipo de processo, seja eleitoral ou não. Proporcionalmente, a Paraíba é o 6º Estado do Nordeste com maior número de legisladores na Câmara Federal que têm seu nome envolvido em alguma ocorrência judicial.

O deputado federal Rômulo Gouveia (PSD) é quem mais acumula processos judiciais. São quatro ao todo, sendo um no TSE e três no TJ. No TSE ele foi citado em um recurso especial apresentado pelo Ministério Público Estadual, mas teve reformada a decisão que aprovou com ressalvas as contas da campanha a prefeitura de Campina Grande, em 2008, sendo julgadas irregulares pelo TSE. No TJ são ações civis públicas, mas os motivos não são especificados no site Excelências e nem na Corte paraibana.

Em seguida aparecem empatados os deputados Aguinaldo Ribeiro e Benjamim Maranhão, cada um com duas ações onde foram citados.

Aguinaldo Ribeiro é alvo de inquérito aberto com a Operação Lava Jato da Polícia Federal, que investiga esquema de corrupção e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras e também de inquérito que apura crimes previstos na Lei de Licitações, ambos no STF.

Aparecem citados em uma ocorrência judicial os deputados Damião Feliciano, Efraim Filho, Wellington Roberto e Wilson Filho. Damião é réu em ação civil pública movida pelo Ministério Público Estadual, no Tribunal de Justiça. Efraim é alvo de inquérito que apura crimes na lei de licitações, no STF. Já Wellington Roberto foi citado em ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal. O parlamentar recorre de decisão desfavorável. E Wilson Filho teve indeferido o seu registro de candidatura para deputado federal nas eleições de 2014 devido a doações ilegais de sua própria empreiteira (Terradrina) para a sua campanha eleitoral de 2010. Porém, a decisão foi revertida no TSE.