Procurador da República afirma vinculação de João Henrique em contrabando de Turmalina

Joao HenriqueO procurador da República no município de Patos, Rafael Lima, admitiu, a vinculação do nome do deputado estadual João Henrique, do DEM, que é o vice-presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, com o grupo acusado de contrabandear a pedra preciosa turmalina paraíba.

Em entrevista, Lima esclareceu, no entanto, que devido ao foro privilegiado que o democrata tem na qualidade de parlamentar, as investigações e respostas sobre o suposto envolvimento do deputado paraibano caberão às outras instâncias da procuradoria.

“O que eu posso informar é que o deputado estadual João Henrique tem foro privilegiado junto ao tribunal e eu sou um procurador da República em primeira instância, sou responsável por processar as pessoas que não tem foro privilegiado e que estão envolvidas nessa organização criminosa, mas o que eu posso adiantar é que há uma vinculação inicialmente do deputado João Henrique com esse grupo, mas depois descobrimos que houve uma briga, uma disputa entre eles, no entanto, com relação aos crimes que por ventura ele venha a responder, isso depende de uma resposta de um procurador Regional da República”, disse.

A investigação sobre o contrabando da turmalina paraíba foi iniciada em 2009 com a instalação de um inquérito investigatório criminal e posterior inquérito policial para a complementação da investigação. “No início houve algumas dificuldades pelo nível de clandestinidade em que a extração é feita e como a turmalina é uma pedra muito cara, mais cara até mesmo que diamante e ouro, isso era feito de maneira escondida, ou seja, a sete chaves, até mesmo com a proteção de pistoleiros”, explicou o procurador.

Segundo Rafael Lima, quando a Polícia Federal conseguiu identificar como funcionava o esquema, a partir de interceptações telefônicas e depoimentos, o Ministério Público Federal emitiu os oito mandados de prisão, dos quais sete foram executados e um continua em aberto.