Governo do estado retirou recursos do hospital de Catolé para por no Trauma de Jampa. Secretário diz que é legal

HRAMVO governo do Estado destinou mais de R$ 9,8 milhões para manutenção do Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, por meio de abertura de crédito suplementar. O hospital é gerido pela organização social Cruz Vermelha.

Para garantir o repasse, o governo retirou recursos que inicialmente seriam aplicados na manutenção de outras 22 unidades hospitalares, entre elas o Hospital Regional Américo Maia na cidade de Catolé do Rocha.

Do valor total suplementado, o governo do Estado ainda liberou R$ 1 milhão para a atenção à saúde preventiva e curativa, R$ 2,4 milhões para manutenção da maternidade de Patos e R$ 1,1 milhão para o hospital de Taperoá. Já o Hospital Arlinda Marques perdeu recursos que somam R$ 500 mil, foram anuladas dotações orçamentárias liberadas anteriormente na ordem de R$ 500 mil que seriam aplicadas na construção de unidades de saúde, R$ 700 mil que inicialmente seriam destinados à Maternidade Frei Damião, R$ 460 mil que iriam para o Complexo de Saúde Juliano Moreira, além de R$ 300 mil para o Hospital Clementino Fraga.

O valor de R$ 1 milhão que seria direcionado para construção e instalação do Centro de Oncologia de Patos também foi anulado pelo governo. Entre os setores afetados pela anulação de dotações orçamentárias constam ainda: hospitais de Guarabira, Monteiro, Infantil de Patos, Cajazeiras, Sousa, Princesa Isabel, Regional de Piancó, Catolé do Rocha, Coremas, Itaporanga, Solânea, Santa Luzia, Itapororoca, Itabaiana, Belém, Getúlio Vargas, Mamanguape, Emergência e Trauma de Campina, além do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen).

O secretário de Planejamento e Gestão do Estado, Thompson Mariz, explicou que o remanejamento faz parte da rotina administrativa do Estado. “Muitas vezes se tem o dinheiro, mas não tem o orçamento e para não haver solução de continuidade nos serviços é que se faz o remanejamento”, destacou. Segundo ele, o dinheiro remanejado visa atender a questões pontuais e localizadas, mas que tudo está sendo feito dentro da legalidade. “É um remanejamento rotineiro, sem traumas para nenhum hospital”.

Vejam detalhes também no site do Jornal da Paraíba.

http://www.jornaldaparaiba.com.br/noticia/134984_governo-retira-recursos-de-22-hospitais-da-pb