Nossas Redes Sociais

Clinton Medeiros

Clinton Medeiros

Cineasta de Catolé do Rocha teve filme premiado em Festival do Rio de Janeiro

Entretenimento

Cineasta de Catolé do Rocha teve filme premiado em Festival do Rio de Janeiro

Coral

Realizado em abril o 2º FIC RIO – Festival Internacional de Curta. A programação, reuniu quase 100 curtas-metragens, nacionais e internacionais, nos gêneros ficção, documentário e animação, além de videoclipes, que concorrerão à premiação em 27 categorias. São obras selecionadas de 22 países e 15 estados brasileiros.

A informação boa nisso tudo é que o cineasta catoleense Jackson Kakito venceu com o curta-metragem “Coral” o prêmio de Melhor Filme Universitário no 2º FIC Rio – Festival Internacional de Curta. O evento aconteceu no Rio de Janeiro, mas todas as exibições foram online, em um canal no YouTube (canal do Festival no YouTube), pois quando o festival foi aprovado, ainda estávamos com restrições de eventos por causa da pandemia.

Um fato inusitado aconteceu: Coral concorreu na categoria de curta-metragem universitário, mas o curioso é que Coral não é um curta, é um média. Então ele, a princípio, foi desclassificado e não poderia passar no festival por ter mais de 30 minutos. Mas a curadoria do festival gostou tanto do filme que mudaram a regra e aumentaram o tempo limite pra 40 minutos, fazendo com que Coral pudesse participar.

“Não sei se foi exatamente isso o motivo da mudança de regra, mas foi o que eles deram a entender no email que enviaram avisando que Coral tinha entrado”, confidenciou Kakito.

“Coral é um filme baseado em um conto de minha autoria. Virou filme para meu trabalho de conclusão de curso de Cinema e Audiovisual na UFPB. Conta a história de Paulo, um cara que vê sua rotina diária ser chacoalhada quando recebe a notícia de que alguém viu uma cobra entrando em seu carro. Sem saber se há mesmo uma serpente em seu automóvel, Paulo vai mergulhando numa paranóia crescente, que o leva a tomar medidas extremas, mostrando que, no fim das contas, o maior medo do ser humano é a incerteza”; destacou.

Para o cineasta catoleense, “receber esse prêmio é uma satisfação imensa. Saber que um trabalho nosso está sendo reconhecido internacionalmente, num festival tão grande, faz com que a gente se sinta motivado a continuar criando, trabalhando, produzindo. Mas, pra mim, o mais gratificante mesmo é ver a galera de Catolé feliz e se sentindo orgulhosa de estar sendo representada pelo mundo afora. Saber que eu to levando o nome de Catolé pra outros lugares é a melhor parte de tudo isso”, concluiu Jackson Kakito.

Coral segue participando de festivais. Enquanto isso, ele não pode estar disponível em outras plataformas, porque alguns festivais exigem que o filme não esteja publicado.

“Mas volta e meia ele estará em festivais de exibição online, e qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, vai poder assistir. A gente vai estar sempre avisando” disse.

Kakito confidenciou que tem uma penca de projetos pela frente. O mesmo está compondo as músicas de um seriado infantil, o Davissauro, que está em fase de produção, e também trabalhando no roteiro de um novo filme. “Estamos planejando novas exibições do documentário “Em Nome do Pai” em Catolé e João Pessoa e tenho um novo romance para ser publicado em breve. Parece muita coisa, mas às vezes é bom manter a cabeça ocupada, pontuou com sorriso no rosto”; destacou.

Informações com Folha Paraibana

Continue lendo...
Espere! Abaixo temos mais Notícias para você...
Clique para comentar

Deixe seu comentário

Mais Notícias em Entretenimento

TOPO
%d blogueiros gostam disto: